quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Cuidados com as boquinhas dos bebês


A boca é dotada de inúmeras bactérias que regulam e compõem a flora bucal, mantendo-a saudável. Se surgem problemas, são frutos de um desequilíbrio na região, que acontece pela falta de higienização correta ou queda da imunidade da criança.
Antes do nascimento dos dentinhos, a principal invasora da cavidade é a candidíase, conhecida como sapinho. "O fungo se instala quando a criança fica com resistência baixa e se multiplica rapidamente", explica a odontopediatra Lúcia Coutinho Porto, da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas.
Essa doença é mais comum em recém-nascidos, que já têm a imunidade baixa porque o organismo ainda está se acostumando com o mundo extra-útero. Os bebês podem entrar em contato com o germe no momento do parto, durante a passagem pela vagina. "A candidíase neonatal é contraída nas duas primeiras semanas de vida e sua ocorrência é bastante comum" diz a especialista.
Quando o bebê está tomando algum antibiótico também corre risco de sofrer do problema, uma vez que as bactérias bucais sofrem modificações pela ação do remédio. Nesse caso, a região fica mais propensa à ação maligna dos microorganismos.
A doença gera lesões na mucosa oral, formando placas brancas salientes, semelhantes a coalhada, na parte interna das bochechas, na língua, no céu da boca ou nas gengivas. Se as placas são retiradas, a pele pode sangrar.
Em alguns bebês, podem surgir no céu da boca pontos brancos ou amarelados. São chamados de Pérolas de Epstein e não devem ser confundidos com sapinho, pois logo desaparecem.
Apesar de não ser perigosa e dificilmente evoluir para um quadro clínico grave, a candidíase dificulta a alimentação da criança, que fica irritadiça e manhosa, pois a boca fica dolorida. Apesar de normalmente sumir sem tratamento, consulte o pediatra se suspeitar do problema. Mas fique ciente de que o melhor cuidado é a prevenção.

Contato com o mundo:

A primeira forma de o bebê contatar o mundo é com a boca. Ele vive a fase oral no primeiro ano de vida e deseja explorar os objetos com a boca, sua maior fonte de prazer, liderada pela amamentação diária. Por isso, objetos, chupetas e mamadeiras devem ser muito bem limpos, lavados constantemente com água e sabão.
Durante o período de amamentação, que coincide com a ausência de dentes, a boca do bebê deve ser limpa uma vez ao dia, de preferência à noite, para serem retirados todos os resquícios do alimento. "O leite pode fermentar e tornar a cavidade um local perfeito para o desenvolvimento de fungos", reforça Antônio Bento, dentista e coordenador do Centro de Pesquisas e Atendimento Odontológico para Pacientes Especiais da Unicamp, em Piracicaba, SP.
Para deixar a boca sempre limpinha, o ideal é passar uma fralda umedecida com água filtrada em toda a gengiva e nos cantinhos onde possa haver leite acumulado.
Normalmente, os primeiros dentes irrompem aos seis meses e o bebê passa a comer outros alimentos. "É a hora da primeira consulta no odontopediatra, para avaliação dos dentes, das arcadas e orientações para a mãe cuidar bem da boca do bebê", acrescenta Lúcia. A partir daí, a limpeza deve ser feita da mesma forma, só que três vezes ao dia, sendo que a última delas deve acontecer antes de dormir. Ou então, a mãe pode passar uma solução especial, prescrita pelo odontopediatra.
A partir dessa idade, os pais devem retirar, gradativamente, o hábito da mamadeira noturna, isto é, as mamadas no meio da noite ou para dormir. Como a criança dorme em seguida, os restos de leite que ficam na boca não são retirados e podem ocasionar a famosa cárie de mamadeira. "Isso cria uma verdadeira cultura de bactérias que geram as cáries", comenta Bento.
Pasta de dente da família, só após os quatro anos. A grande quantidade de flúor, presente na água e na pasta, podem ocasionar fluorose, manchas brancas nos dentes permanentes que estão em formação, podendo enfraquecê-los. "Existem algumas marcas no mercado que oferecem alternativas sem flúor. Essas devem ser usadas, porque as crianças sempre engolem e podem ingerir flúor demais", alerta a odontopediatra.
Para pessoas que não têm acesso a esses cremes dentais, Bento dá uma dica: "Utilize escovas de dente especiais para criança, pequenas e bem macias e aplique ‘um grãozinho de arroz’ de pasta."



Bebê de aparelho?



Mamar no peito não faz bem somente ao organismo do bebê, mas também à saúde de sua boca. "O peito é o primeiro aparelho dental, porque o ato de sugar ajuda no desenvolvimento da mandíbula, melhora a respiração pelo nariz, entre outros benefícios", destaca Lúcia. Além disso, não há risco de contaminação da mamadeira e é um alimento de baixo teor cariogênico.
Outro hábito, este ruim para a boca do bebê, é o uso da chupeta. Além de poder contaminá-lo se estiver suja, o uso constante pode deformar a arcada dentária e gera problemas na dentição de leite e permanente. O ideal é nem apresentá-la ao bebê (que vai gostar da nova amiga). Mas, se não houver alternativa ou a família insistir em utilizá-la, opte pelo modelo ortodôntico que não prejudica o desenvolvimento do maxilar.
Ofereça ao bebê somente para acalmá-lo, não a deixe presa na roupa para não criar o hábito e interrompa sua utilização até os três anos de idade. "Todo hábito desmedido pode alterar a arcada da criança, como também o chupar o dedo. Deve ser interrompido o mais cedo possível", conclui a odontopediatra.

Fonte:Revista Guia da mamãe, Edição 05.

Os "SAPINHOS"



Se observar algumas manchas brancas na boca do seu bebê, consulte o pediatra,  ele poderá está sofrendo de "sapimhos".
"Sapinhos" é o nome que no senso comum se imprega para denominar uma infecção chamada Candidiase oral. Esta infecção, embora não muito grave, é bastante habitual, pode condicionar a forma do bebê se alimentar, uma vez que, poderá sertir dores ao alimentar-se.

O QUE CAUSA?


A candidiase oral é provocada por um fungo - Candida albicans- que se encontra presente na boca do bebê em conjunto com outros microorganismos. No entanto, quando há um desequilíbrio entre estes microorganismos, o fungo sobrepõe-se ao restante, infectando a boca do seu bebê.

SINTOMAS


O principal é o aparecimento de manchas brancas (semelhantes a leite coalhado) na boca do seu bebê. O bebê também poderá apresentar a boca seca e demonstrar sinais de dor quando se alimenta.

TRATAMENTO


Após o diagnóstico, o pediatra geralmente prescreverá um medicamento de administração oral. O tratamento geralmente não ultrapassa uma semana.
De forma a prevenir uma infecção na boca do seu bebê, se se aperceber de alguma mancha invulgar na sua boca, contacte de imediato um profissional de saúde.


Fonte:Blog Nascer e crescer
 

3 comentários:

Rosana Oshiro disse...

oi Virginia!
Obrigada pela visita em meu blog!=D
O teu blog esta com algum problema ou sou eu quem nao consigo visualizar corretamente?

volte sempre a minha casa, tbem vou passar por aqui...

beijo

Rosana Oshiro disse...

Virginia, aparece um codigo enorme na Header do seu blog e a tela esta toda desconfigurada...

Isso não é normal...
Ja acessei por todos os navegadores....

Se precisar de ajuda me fala que eu sei como tirar...

beijo

cristhiany disse...

Não deixa as pessoas beijarem seu bebê!Bjusss